Posts com Tag ‘Harrison Ford’

Em 17 de janeiro de 2008, depois de uma correria para assistir Cloverfield – Monstro, embarquei num vôo para Nova Iorque. Começava minha jornada como correspondente internacional nos Estados Unidos e, consequentemente, do SOS Hollywood. Hoje, um ano depois, sinto um enorme orgulho por ter vencido os desafios, as dificuldades financeiras, a distância da família, as mentiras escabrosas e por, felizmente, ter realizado diversos sonhos e, espero, ter sido parte importante na vida sua vida, caro leitor. Muitos leitores se tornaram amigos, o que era para ser apenas um diário se tornou ponto de encontro com grandes astros por conta das entrevistas e, pelo menos para mim, ficou mais fácil entender – e compartilhar com você – como esse mundo cheio de gente famosa e politicagem extrema funciona. Hoje é aniversário do SOS Hollywood, mas só tenho que agradecer a você, que visita o site, divulga para os amigos e, acima de tudo, confia num trabalho sério e apaixonado.

Obrigado pelo apoio e fique atento, pois esse fim de semana será especial: Zack Snyder, Stan Lee e Harrison Ford vão dar as caras por aqui, blogueiros de cinema deixarão suas impressões sobre esse ano de trabalho, revelaremos algumas imagens EXCLUSIVAS de Watchmen e, acima de tudo, relembraremos um pouco os momentos mais marcantes dessa jornada!

Convido a todos para participar da festa deixando suas impressões e mensagens em nosso fórum ou por e-mail. Hoje, a festa é de vocês! De minha parte, já fico feliz demais por poder celebrar esse dia e saber que mais alguém além da minha mãe lê o blog! Ahuahuhuahua!

Ps.: Esse post ficará no topo durante toda a semana, portanto, veja as novidades abaixo!

Anúncios

Não interpreto heróis. Sou apenas um ator.

Uma das entrevistas mais marcantes do ano, sem dúvida, foi a de Harrison Ford. Muita antecipação, expectativa e uma conclusão fabulosa marcaram meu encontro com um de meus heróis de infância. Mesmo ele dizendo não dar muita bola para Han Solo, lá estava o sujeito, sentado ao meu lado. Foi de arrepiar. Confira, pela primeira vez, a entrevista completa, já que apenas parte dela foi matéria de capa numa das maiores revistas do país. Um ano de SOS Hollywood, um monte de presentes para os leitores!

Existe alguma complicação para voltar a um personagem e de um filme de ação como esse 20 anos depois, além, óbvio, da passagem do tempo?
Indiana Jones é um personagem que sempre pode ser mais explorado, tem ótimos relacionamentos e sempre algo novo para mostrar. Por pensar assim, quando terminei de me vestir e colocar o chapéu, toda essa experiência e perspectiva voltaram. E ainda bem que a roupa original ainda me serviu. Consegui manter a mesma forma por 20 anos, o que é uma façanha. Foram 80 dias de filmagem com um só de folga, mas tudo correu bem.

As filmagens podem ter levado menos que três meses, mas o roteiro virou novela e parecia que nunca ficaria pronto…
Começamos a pensar num quarto filme pouco depois de Indiana Jones e a Última Cruzada e viemos alimentando a idéia ao logo dos anos, mas estávamos fazendo outras coisas e ninguém ficou sentado em casa, olhando para a caixa de correio, esperando um roteiro novo. Depois que nós três concordamos [Ford, Steven Spielberg e George Lucas], ainda precisamos de mais três versões até o roteiro final, com 120 páginas. Bem grande, por sinal.

(mais…)

Roteiro de Blade Runner II está quase pronto! Agora é rezar para São Sinfrônio e ver no que vai dar!

Essa é uma daquelas notícias difíceis. Não dá para saber se é boa ou ruim, mas nunca se sabe. Mas tem gente mexendo em Blade Runner, um dos maiores filmes de ficção científica de todos os tempos, então é bom ficar de olho.

Não é segredo que o produtor veterano Bud Yorkin, que produziu Blade Runner – O Caçador de Andróides, de Riddley Scott, quer fazer uma seqüência para o filme. Entretanto, o SOS Hollywood conseguiu uma atualização do projeto com exclusividade. Desde 2006, os roteiristas John Glenn e Travis Wright (Controle Absoluto) estão envolvidos em diversos tratamentos de roteiro para a continuação. Embora minha fonte não possa confirmar, a versão atual da história está muito próxima do que Yorkin quer levar os cinemas.

Recentemente, Yorkin participou de uma série de reuniões com a The Third Floor (onde metade da equipe que fez os efeitos de A Vingaça dos Sith trabalha depois de ter concluído o filme), empresa de pré-visualização, ou previs (uma espécie de storyboard 3D), para elaborar as seqüências em que Deckard persegue um dos replicantes e uma das cenas de combate espaciais nas colônias espaciais, onde a história deve se passar. Só por esse detalhe já dá para esperar mais ação e elementos futuristas. Há rumores de que um modelo em 3D de uma das naves já esteja pronto.

Minha fonte informa que Yorkin ficou altamente impressionado com as possibilidades da previs para evitar atrasos e refilmagens desnecessárias como aconteceu no primeiro filme. Se conseguir luz verde para o projeto, Yorkin já deixou claro que pretende contar com as estrelas Harrison Ford, Hutger Hauer e Daryl Hannah. Ford já falou que volta, quando o entrevistei no começo do ano, então tudo pode acontecer.

Se for bom ou ruim, só o futuro vai dizer! Os roteiristas são bons, nerds de carteirinha e tem um baita respeito pela obra e o produtor é o mesmo do primeiro filme, então, não fico tão apavorado quanto deveria. Mas ainda dá medo, ô se dá!

Em breve, mais informações! Quebra tudo Deckard!

Aproveitando, eu não gostaria de ver um novo filme, pois acho muito arriscado. E vocês? Opinem no nosso fórum aí embaixo!

==

ATUALIZAÇÃO
Como um site gringo publicou a matéria – 12 horas depois que o SOS Hollywood deu o furo – e parece não ter as informações completas, aí vai mais um dado que é 100% apurado e correto. Os roteiristas envolvidos foram pagos integralmente pelo trabalho desde 2006, logo, já há investimento, mesmo que pequeno e todo saído do bolso de Yorkin. Logo, não estamos falando apenas de uma idéia ou tentativa, mas de algo que Yorkin pensa em fazer desde 1997, quando mencionou o assunto pela primeira vez.
Ah, esses gringos! hehehe!

harrison_filmagens1.jpg

Um pouquinho de história barretônica antes de mais nada. No ano de 1999, na primeira Jedicon, eu coloquei uma certa fantasia só para desfilar um pouco. Como organizador nunca para quieto, acabei ficando o resto do dia correndo para lá e para cá vestido de Han Solo. Embora pouca gente se lembre, já que essa nova geração de fãs ainda mijava nas calças em 99, isso aconteceu e muita gente ainda me chama de “presidente Han Solo”. Foi muito legal.

Apertando o botão de avançar no tempo para, exatamente, 25 de fevereiro de 2008. Quatro dias antes, recebo um comunicado me escalando para minha primeira entrevista oficial pela revista. O coração já bateu forte pelo lado profissional, mas quando terminei de ler o email eu quase enfartei. Meu primeiro entrevistado seria ninguém menos que Harrison Ford.

E, para meu desespero, em Santa Monica, que é bem longe de onde eu moro. Dá-lhe Busão! Por sorte, porém, na sexta-feira anterior, quando fui entrevistar o elenco de Agente 86, trombei minha coleguinha Donna, uma australiana MUITO GENTE BOA, que também estava escalada para o Ford e me ofereceu carona. Menos mal, SÓ tive que ir até Beverly Hills – um metrô e um busão e 1h30 de investimento –, mas valeu a pena, pois até Santa Monica seriam quase 3 horas e mais um busão.

A entrevista seria no dia 25, mas, o que tinha na noite anterior? Oscar, claro. Enfiei meu rabicozinho num restaurante, curiosamente, brasileiro, pois vi todo mundo olhando para uma parede. Como parede não pode ser tão legal, saquei que era uma plasma. Dito e feito, entrei, comi polenta – oba! – e tomei algumas taças de vinho. Italiano, tinto. Muito bom. Tudo isso enquanto atualizava o Judão no Oscar 2008. Descobri que meu laptop não tem uma bateria muito boa e na metade do prêmio já estava pedindo água!

Claro que, normalmente, você se prepara, faz pesquisa e organiza as idéias para falar com um top star que nem o Ford, mas, no fundo, eu me preparei para essa conversa nos últimos 20 anos da minha vida. Dá arrepio até de lembrar.

Bão, madruguei no dia seguinte para chegar a Beverly Hills no horário combinado. Metrô e busão depois, cheguei ao apê dos australianos, mas não tinha ninguém. Mas o susto durou pouco e eles só tinham ido tomar café. Carona certa, Santa Monica aqui vou eu. O caminho até lá é legal, uma baita avenidona que não termina nunca! Quer dizer, quase.

Quando eu achava que continuaria muito mais, finalmente, vi o mar da Califórnia. Pois é, praia! O hotel ficava ao lado de Venice Beach, um dos points mais badalados do lugar. Ou seja, levou quase 2 meses para eu ver o mar! Mas foi legal. Rolou uma mini emoção. HAHA.

dscf0163.JPG

O clima já começava quando um pôster de Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal (esse aí da foto) indicava o caminho para a sala de entrevistas. As meninas supersimpáticas da Paramount já me esperavam, a salinha lotada de comida também, e, claro, a vista para o mar! Encontrei com Isabela Boscov, da Veja. Fiquei muito feliz ao, finalmente, me ver num mesmo evento que ela. Depois de lutar tanto como assessor para mandá-la para alguma das minhas junkets, lá estava eu, “concorrente” dela. Mas a mulher é um doce e extremamente profissional. É ótima para conversar e entende como o mundo funciona, ao contrário de outra pessoinha ridícula e mau-caráter, que apareceu depois.

Aí veio a entrevista. A assessora de imprensa entra acompanhando um sujeito de cabelos bem grisalhos, calça jeans, mãos no bolso, e um blazer cinza. O cara vem chegando e ela pede para que cada um se apresente…. “começando pelo Fábio”. Eu simplesmente congelei! Por uma fração de segundos, claro, até que vi ele esticando a mão. “Prazer, Harrison Ford”. “Fábio Barreto, Brasil”. E seguiu cumprimentando os demais.

A entrevista começou, aos poucos, ele foi tirando o blazer, arregaçou as mangas e enfrentava a bateria de perguntas. A maioria boas, mas, claro, sempre algumas besteiras no caminho. Era engraçado notar como, conforme ele falava, dava para identificar um pouco de cada um dos maiores personagens que marcaram minha vida. Eu juro que, enquanto anotava uma resposta, eu achei que o Han Solo estava ali na sala. Bem, estava, mas vocês entenderam.

Entrevista encerrada, era a vez de conversar com Frank Marshall, o produtor. O cara era todo sorrisos, pois tinha acabado de ganhar uma penca de Oscars por Ultimato Bourne, então foi um passeio falar com ele. A melhor coisa foi descobrir que Foz do Iguaçu está no filme. Deu para ter certeza de que é impossível não gostar do próximo Indiana. Deu até arrepio ouvir ele falando dos primeiros filmes e da retomada do trabalho com o novo.

Nesse meio tempo, rolaram umas conversas e uns papos, e acabei conseguindo uma segunda entrevista com Harrison Ford. Não congelei nem nada, mas ampliei os sentidos. Precisava ser melhor que na primeira e quebrar a banca. Afinal de contas, eu estaria lá uma segunda vez.

Retornei à sala, ele retornou e cumprimentou a todos. Quando chegou a minha vez, enquanto apertava minha mão, parou.

– Ei, você voltou?
– Sim.
– Acho que preciso responder direito para você, então, hein?
– Vamos apenas fazer nosso trabalho. Estou duplamente honrado.
– Não duvido.
Sorriu e sentou-se.

Devo dizer que foi triste ouvir, duas vezes, ele dizer que Han Solo não é interessante, meio bobo e que não voltaria a interpretá-lo. “E aquelas calças, meu deus”.

Embora não tenhamos visto nenhuma prévia do filme e todo mundo tenha feito segredo além do normal sobre o roteiro, foi possível respirar o mundo de Indiana Jones, naquele delicioso hotel beira-mar, em Santa Monica. Conheci um sujeito que, mesmo não gostando, me fez querer aprender a falar inglês, fundar um fã clube e virar jornalista. Tudo para, um dia, entrevistar alguém como ele, já que, ele, parecia sonho bobo. E foi justamente ele que iniciou um novo período profissional na minha vida. Claro que não disse nada disso ao Harrison Ford e fiz apenas meu trabalho, mas, lá no fundo, meu coração batia num ritmo diferente, ritmo de quem sonhou, lutou, sofreu e conseguiu chegar além de seus maiores sonhos.

dscf0161.JPG

(Santa Mônica, sem óculos de sol e tirando foto sozinho, podia ser pior!)

A matéria sair na capa da revista Época foi a cerejinha que faltava nesse bolo mousse extra cremoso. Só tenho a agradecer a todos que participaram da minha vida, que me levou a esse momento extremamente feliz, alegre e completo. Sabe, eu nem lembrei que era fã, ou que sempre tinha sonhado com um dia ficar frente a frente com ele, mas depois, quando a matéria saiu, caiu a ficha. Eu chorei feito criança e quase levitei, pois sabia que era merecido. Independente do que qualquer pessoa diga ou ache.

Resumo da ópera, entrevistei Harrison Ford, fiz direito, como deve ser feito, me orgulho disso e sei que tem alguém, se é que existe outro plano, muito feliz por mim. Mesmo ela não estando mais entre nós, minha avó tem participação vital nessa coisa toda.

indiana_getty-images.JPG

Filme entrega exatamente o que os fãs do personagem gostam: ação, perseguições e, claro, mistérios além do comum. Mas a pergunta é: quem vai falar mais alto, fãs de longa data ou a garotada que alimenta a indústria do cinema ultimamente?

A indústria do cinema é cruel. Hoje em dia, o fato de um filme ser bom não o salva do eventual fiasco e, ao contrário, sucessos incontestáveis de bilheteria não implicam que o filme seja necessariamente bom. É exatamente sobre esse aspecto que, provavelmente, a maioria das críticas de Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal vão abordar. O Festival de Cannes já sinalizou “pouco interesse” e vi um pouco disso na exibição de imprensa que acabou de acontecer em Los Angeles, dentro dos estúdios Paramount. Seja por excesso de expectativa exagerada ou por eventuais falhas de roteiro – afinal de contas, George Lucas está na parada – não houve ovação, porém, também não vi ninguém odiando o filme. De qualquer forma, digo a vocês, O FILME É INDIANA JONES PURO, DO COMEÇO AO FIM!

[Prometo que não vou contar nenhum detalhe, afinal, concordo com Spielberg quando ele aposta no segredo para manter a magia do cinema.]

O que se esperava do novo Indiana Jones? Aventura, claro. E isso, Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal tem de monte. Aliás, o ritmo é bastante puxado e poucas são as cenas sem algum elemento físico ou um pouco de ação. Boas piadas pontuam o filme. A melhor expressão para definir o que é esse longa-metragem deve ser a predileta dos atores: it’s a lot of fun! É divertido para caramba!

E, sendo assim, é um ótimo filme. Não há muito mais que se esperar de um quarto filme, sobre um mesmo personagem e suas aventuras impossíveis. Uma crítica do Washington Post diz que é vazio e sem sentido. Bom, convenhamos qual a utilidade e o sentido dos filmes anteriores? Puramente divertir e entreter. Porém, o que faz a diferença entre o tipo de diversão entregue por Indiana Jones em relação a seus “concorrentes” como A Múmia, National Treasure e similares é que nenhum deles bate Indy em carisma. E isso, inegavelmente, Harrison Ford tem de sobra. É impossível não torcer por ele a cada salto, tiro ou enigma que precisa decifrar para solucionar o dilema do cabeção de cristal.

Mutt Williams (Shia LaBeouf) foi boa aquisição ao elenco. Seu visual totalmente chupado de Marlon Brando em The Wild One define todo seu estado de espírito sem dizer muito, mas ele é um dos que mais muda ao longo da trama. Já Marion Ravenwood (Karen Allen, quando a idade chega, a idade chega…) retorna, mas não convence muito e, a exemplo de Susan Sarandon em Speed Racer, vê sua personagem ser mera coadjuvante estética na maior parte da história. De qualquer forma, não é para ver os dois que o público vai pagar o ingresso, mas sim para acompanhar o retorno de Harrison Ford ao papel de Indiana Jones.

Ele faz o que tem de melhor: corre, pula, tira sarro da cara dos bandidos e, claro, tem seus momentos mais exagerados do que gostaríamos de ver, mas, tratando-se de Indiana Jones, vale tudo! O bom trabalho de câmera e efeitos não deixa o espectador pensar no fato de que ali está um homem de 65 anos. A idade do personagem, aliás, acaba servindo com motivo de boas cenas cômicas.

Esse filme não é e nem vai ser uma unanimidade. Quem quiser achar defeitos vai ter um banquete à disposição, assim como quem resolver defender ou enaltecer as cenas bacanas. Talvez por isso muitos críticos tenham resolvido queimar o filme logo de cara, assim não ficam com remorso caso a opinião pública o condene. De qualquer forma, cada um faz seu juízo. Gostei, vi muita coisa boa, ri bastante ao longo de todo filme e a não gostei de algumas decisões tomadas pela equipe no desfecho, mas aí é coisa bem pessoal. No geral, é como se tivesse voltado no tempo e entrado num cinema cerca de dois anos depois da estréia de A Última Cruzada.

Porém, pode estar aí o calcanhar de Aquiles do filme. Todo mundo tem insistido que foi feito para os fãs, entretanto, Spielberg pode ter pensado tanto nos fãs que não se deu conta de que essas pessoas cresceram e amadureceram. Quem pedia por um novo filme empolgado com A Última Cruzada não tem mais aquela mentalidade. Indiana Jones tem. Embora o tempo possa ter passado e ele, a partir de certo ponto, se torne um sujeito “sério e responsável”, o espírito da “trilogia” original foi mantido. Seus conceitos, seus ideais, sua identidade visual. É como se tudo tivesse parado no tempo. Um tempo bom, diga-se de passagem. Mas a dúvida é: o público de hoje está preparado para essa viagem no tempo? Faz sentido para eles – jovens ou não – falar em russos, caça às bruxas, comunismo? Saberemos em breve. Faltam apenas 4 dias para a estréia.

Os veteranos tem em Ford a certeza de que o personagem continua imbatível e exatamente como nos lembramos. E como estandarte da nova geração surge Shia LaBeouf, que já arregimentou a garotada em Transformers e surge como novo elemento constante em eventuais filmes do personagem. Ele acaba sendo o catalisador dramático e cômico do filme todo, e faz o trabalho direito. Especialmente na parte cômica. Não há como deixar de lado a idéia de que Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal é um filme engraçado, com objetivo de divertir e tentar fazer isso da melhor maneira que o trio de ferro permite. A cena de abertura, aliás, dá o tom para todo o resto do rolo.

Não há nenhum objetivo político – os russos já perderam e a Guerra Fria acabou –, as tribos do Peru não devem dar muita bola para a existência, ou não, de um crânio de cristal cheio de superpoderes e o personagem nunca foi de passar por aventuras verídicas ou cotidianas. Tudo ali é faz de conta, com muita qualidade diga-se de passagem, mas, ainda assim, uma história cuja função é servir de palco para que Indy faça seu show, Harrison Ford retorne ao topo e, quem sabe, Shia LeBouf se transforme no porta-voz do bom cinema para essa nova geração em cujas mãos está o destino ($$) e o julgamento da validade, ou não, de Indiana Jones para o novo século. Será um arqueólogo e professor meio período capaz de competir com os cenários supercomputadorizados dos Wachowski ou a tecnologia dos filmes de superheróis?

A única certeza que tiro disso tudo é que realizei mais um sonho, vi Indiana Jones no cinema. E uma conclusão: George Lucas tem que ser proibido de escrever roteiros pelos próximos 10 anos, ainda de castigo por Episódio I e por algumas escorregadas com o Indy! E viva as marmotas!

Primeira Capa NACIONAL!

Chega ao fim a primeira parte da saga de Harrison Ford nas minhas mãos. Está nas bancas a revista ÉPOCA, edição 511, com chamada de capa para a Entrevista de Harrison Ford. Minha primeira matéria e logo na capa. Acabei dividindo o crédito com o Bruno Segadilha, mas tudo bem. O Bruno é gente boa e fico feliz de compartilhar isso com ele. 😀

O link para a entrevista está aqui.
Comentem no site lá, por favor. Ajuda a dar uma moral! 🙂

Bom, isso foi para TODOS OS NERDS NO BRASIL, até para aqueles que me detestam! 🙂
A gente merecia isso! E eu também, especialmente depois desse mês de cão aqui, sozinho, longe da minha família, e comendo sanduíche de presunto todo dia.

A primeira de muitas aventuras em Hollywood!

Duas vezes Harrison Ford

Publicado: 25/02/2008 em Entrevistas
Tags:

Amigos, só para não passar em branco, pois agora estou escrevendo a matéria, gostaria de dizer que, profissionalmente, hoje foi um dos dias mais grandiosos da minha vida. Várias razões: entrevistei o Harrison Ford duas vezes, briguei de igual para igual com uma crítica de cinema bem conhecida e, de quebra, ainda mostrei pra um certo sujeito como se entrevista um grande astro. Nada de perguntas bestas. “Fanzineiro é a mãe!”. Sem nomes. 🙂

Harrison Ford é sensacional. Inteligente. Bem posicionado. Foi gente boa, lembrou quando eu apareci denovo numa mesa de entrevista.. hehe.. eu conto a história depois, e é simplesmente apaixonado pelo Indiana Jones. Enfim, muitos detalhes.

Essa é do bem:
Bó.. eu apertei a mão dele!

Agora essa é do mal, pra nego que fala mais que a boca e se empolga:
Eu falei com ele por uma hora e ainda o cumprimentei DUAS VEZES… DUAS…
Em homenagem ao Morph, CHUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUPA! É! CHUUUUPA!
Eu não prometo.. eu vou lá e faço, entendeu? hahahahah

Pronto, alma lavada.

Foi FANTÁSTICOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO…

INDIANA JONES VEM AÍ… E PREPAREM-SE, TONY STARK VAI TER RALAR MUITO A ARMADURA PRA BATER O INDY!
Se bem que vou entrevistar o elenco de Homem de Ferro tmb, então… saberei muito em breve. Mas que o Indy vai dar uma coça, ah vai!

Amanhã acho que consigo colocar um relato mais legal sobre so acontecidos. Tem cada curiosidade.. heheheeh… Ah, meu editor falou pra não espalhar… ah.. tipo… puuuuuuuuuuuuuuuuuuutz! :-p
“Isso me escapuliu!”