Arquivo de maio, 2008

caspian2.jpg

Príncipe Caspian estreou hoje no Brasil. Assisti ao filme na semana passada, no dia da estréia aqui (leiam a matéria do Guia da Semana a respeito), e, diferente do que se pode imaginar, tive que pagar o ingresso. Caro, aliás: US$ 25. É, a Disney não gosta de mim e não me chama para os filmes deles. Só vi a Hannah Montana por que era para a revistona lá, quando não é para eles, acho que nem posso passar perto da central lá em Burbank. Enfim, como trabalho é trabalho e eu levo a sério e não fico com palhaçada, fui lá conferir o segundo filme.

Eu gostei do primeiro. Foi uma boa adaptação, tinha tudo que o primeiro livro precisava contar, não forçaram a barra com o cristianismo, então achei legal. Me diverti, curti o Aslan e gostei da ambientação daquele mundo, que poderia ter parecido muito mais infantil. Detalhe, eu tinha assistido a toda a série que a BBC produziu e a Focus Filmes lançou no Brasil. Aliás, confiram, é bem interessante, box bem feito – embora gordo e ocupa um belo espaço na prateleira – e conta a história inteira. Ah, abusem do botão avançar no Dawn Trader, as cenas no mar são sacais!

Bem, voltando a Príncipe Caspian. Como a molecada cresceu, nada melhor do que colocar um pouco mais de momentos sombrios na história toda, não? O clima é totalmente diferente. Nárnia não é mais um lugar lindo, cheio de encantos, animais simpatiquinhos que falam serelepes e blabla. Nárnia se tornou um lugar ordinário, sem nada de encantador. Muito por conta dos Telmarinos, uma raça que chegou ao antigo reino dos Reis de Nárnia, derrotaram os narniamos e mostraram que “com ferro fere não perde a briga!”.

É justamente desses telmarinos que Caspian é o príncipe e, como eles mandam em Nárnia, ele é o novo regente por direito. Porém, a bendita corneta (1) é soada e lá vão os irmãos Pevensie de volta ao maravilhoso e lindo reino … que está todo destruído e, de quebra, passaram-se alguns séculos. Esse detalhe é fundamental para demonstrar a Peter, Edmund, Lucy e Susan que tudo ali mudou e que precisam fazer jus ao título de “Reis de Outrora”.

caspian3.jpg

Peter (William Moseley) não me convenceu no primeiro filme e ganhou meu ódio eterno com o segundo. Ele é ruim. Ponto. Edmund já mostra mais talento e agora tem o galãzinho Ben Barnes como Caspian. Pelo menos pose de herói ele sabe fazer. E agora a batata quente está nas mãos dele, já que os próximos dois filmes são essencialmente protagonizados por Caspian.

A boa novidade do elenco é mesmo o Ripichipe. Eita ratinho arretado, sô! Na versão da BBC, foi o anão mais famoso do cinema Warwick Davies (Wicket, Willow… humm, mais algum personagem com W?) quem viveu esse espadachim rato com alto senso de humor e imbatível na hora da porrada. Queria ver o Hulk tentando pegar ele! Hahaha! Imagine que, no meio de uma batalha, você é derrubado e quando vai ser rapidamente abatido percebe que, na sua frente, tem um RATO! Esse tipo de situação vale várias piadas, muito boas, aliás!

O filme propõe uma luta pelo retorno da inocência e da magia, que foi perdida com a invasão dos Telmarinos. Entretanto, o roteiro é sincero o bastante para avisar que não se trata de uma reprise e de que, assim como a vida, nada acontece do mesmo modo duas vezes. No final das contas, a história acabe sendo focada nessa transição que os dois mundos vivem. Nárnia reencontra sua antiga essência, enquanto, em Londres, a molecada ainda vive aquele clima de medo provocado pela guerra, que já não assusta tanto, mas ainda é presente. Desta vez, porém, eles podem lutar contra o tirano da fantasia de modo mais próximo como foi a Segunda Guerra Mundial. A Feiticeira Branca era algo muito ideal, a vilã que vence pela enganação e pela sutileza e, quando em batalha, é, literalmente, fria como o gelo. Miraz, o vilão do segundo filme, é um homem de carne e osso. Traiçoeiro, covarde e, por que não, falível. Ele comanda um exército sem identidade, uma verdadeira máquina de guerra que não liga a mínima para a beleza e maravilha com a qual luta. Todos os soldados usam máscaras, todos são um e esse um é representado por Miraz – forte em conjunto, inseguro individualmente.

Curioso que, diferente das histórias básicas, não é o herói quem salva o dia ou resolve a peleja. Não fosse por um retorno triunfante de Aslan e árvores raivosas ajudando na batalha (2) o dia não teria terminado bem para os narnianos, que levaram uma bela sova. Vontade não falta, mas catapultas falam mais alto.

O grande lance quando se fala em adaptações é que o produto final precisa ter uma identidade, precisar “fazer sentido”, como os gringos gostam de usar. E Nárnia faz. A Bússola de Ouro, por exemplo, não fez e foi aquele fiasco. Um megavideoclipe cheio de cenas que não davam liga. Em Príncipe Caspian vemos tudo que precisa ser visto num filme e, aliado ao poder da Disney – a empresa muquirana e cheia das politicagens –, os bilhões na bilheteria são mera questão de tempo. Porém, a coisa não deu tão certo assim e o filme faturou “só” US$ 55 milhões. Custou US$ 200 milhões, ou seja, ainda tem chão para se pagar, mas isso não é problema, uma vez que o filme ainda pegou uma barra pesada com Indiana Jones abrindo dois dias depois. O primeiro filme abriu com US$ 65 milhões contra um orçamento de US$ 180 milhões, ou seja, teve melhor desempenho.

caspian4.jpg

Eita Ratinho Bom de Briga!

(1) Corneta para pedir ajuda… humm, Boromir com aquela buzina de Scania em A Sociedade do Anel! Sempre achei que Lewis e Tolkien compartilhavam as idéias. Mas essa é tão cara de pau! Agora, quem copiou de quem?

(2) Árvores despertas seguindo para a batalha… humm, Fangorn e os huórns fechando o cergo no Abismo de Helm. PELOAMORDEERUILUVATAR.. quem copiou de quem?!?! Hein?! Hein!? 😀

(3 que nao está no texto) isso sem contar o Espírito da Água que aparece, tem feição humana e quebra a banca! SantoULMO salvê-nos dessas difamações! :-p

Anúncios

gangs.jpg

Logo que voltei a LA, escrevi esse post. No dia seguinte, porém, trombei com mais uma estrela, desta vez da infância: Henry Thomas, o garotinho do E.T. Gosto dele, não só pelo E.T., mas também de filmes mais recentes em especial o Gangues de Nova York. Onde encontrei o sujeito? No mercado! É impressionante como os fotógrafos desocupados ainda não descobriram o Albertson’s de Los Feliz como nicho de fotos feias de atores sem maquiagem ou realizando o simples ritual de escolher o donnut ou a bandeja de carne.

Acabei nem postando, pois ficaria meio chato tocar no mesmo assunto duas vezes seguida. Guardei como nota mental para o futuro. Só que anteontem mais uma experiência estelar aconteceu no meu cotidiano e tenho que compartilhar com vocês.

Já falei que tem a Mexicana dos tacos aqui na esquina? Então, o nome do lugar é Yucca’s, bem conceituado quiosque de tacos, burritos e outras cossitas mexicanas em Los Feliz. Sabadão parece barraca de pastel, gente saindo pelo ladrão!

Bom, fui ao Yucca’s comer um burrito, pois a fome era grande e a preguiça de cozinhar era maior ainda. Pedi meu delicioso quitute latino e fui até a mesa mais próxima para aguardar a tiazinha gritar “Fabiôôô” ou “Frank”! (?!?) É, ela escreve o nome no pratinho onde vai a comida – higiênico até! – e nesse dia ela escreveu Frank! Vai entender. E depois eu, por lavar louça com água fria é que sou anti-higiênico.

Fábio ou Frank, lá estava eu. Aí passa uma anãzinha com cara de poucos amigos. De cara deu aquela impressão de conheço de algum lugar. Aí ela pediu a comida e a voz chamou a atenção novamente. “Opa, mais um famoso para a listinha”, pensei intrepidamente tentando decifrar quem era. Tem vez que é difícil, juro!

Olhei uma, duas, três vezes. Aí veio a resposta: Rachel Bilson, a Summer de The O.C. Mas será?! Não tinha nada do appeal da personagem, o cachecol não ajudava, a Cicatriz gigantesca no lado direito da boca também não. Cicatriz? Nossa, nunca notei. Ou será que eles tiram sempre? Pode ser. E aquela cara de “comi cocô, não gostei e ainda sobrou para a janta” desanimou.

Podia ser um dia ruim, problemas. Sem emprego, talvez? Acontece com todo mundo, não vou julgar por algo que apenas vi e nem interagi. Bom, eu tinha certeza, mas como todas as proporções são outras na vida real – e ela, se muito, batia no meu peito – cheguei a pensar que estava enganado dessa vez.

Enquanto pensava nisso… “Fraaaak”. “Fraaaaank”, e olhou pra mim. Bom, naquele dia eu era o Frank. Fui até lá rindo e falei “Fábio” e ela “errei de novo”. A idade minha senhora, a idade! Mas ela é gente boa e me divirto lá.

Eu, ou melhor, o Frank, comia seu burrito e tentava impedir que os feijões saíssem correndo quando a voz retorna: “Reichêlllll”. Bingo, era a moça! Ela deu um risadinha sem graça pra tiazinha e aí deu para confirmar que se tratava da ídala de The O.C. e a namoradinha do Hayden em Jumper.

Só espero que a moça esteja mais feliz e que não seja mais uma para o grupo dos “ai que nojo”. Enfim, mais uma para a listinha dos astros avistados pelos globos oculares barretônicos!

rachel_bilson_wallpaper2.jpg

harrison_filmagens1.jpg

Um pouquinho de história barretônica antes de mais nada. No ano de 1999, na primeira Jedicon, eu coloquei uma certa fantasia só para desfilar um pouco. Como organizador nunca para quieto, acabei ficando o resto do dia correndo para lá e para cá vestido de Han Solo. Embora pouca gente se lembre, já que essa nova geração de fãs ainda mijava nas calças em 99, isso aconteceu e muita gente ainda me chama de “presidente Han Solo”. Foi muito legal.

Apertando o botão de avançar no tempo para, exatamente, 25 de fevereiro de 2008. Quatro dias antes, recebo um comunicado me escalando para minha primeira entrevista oficial pela revista. O coração já bateu forte pelo lado profissional, mas quando terminei de ler o email eu quase enfartei. Meu primeiro entrevistado seria ninguém menos que Harrison Ford.

E, para meu desespero, em Santa Monica, que é bem longe de onde eu moro. Dá-lhe Busão! Por sorte, porém, na sexta-feira anterior, quando fui entrevistar o elenco de Agente 86, trombei minha coleguinha Donna, uma australiana MUITO GENTE BOA, que também estava escalada para o Ford e me ofereceu carona. Menos mal, SÓ tive que ir até Beverly Hills – um metrô e um busão e 1h30 de investimento –, mas valeu a pena, pois até Santa Monica seriam quase 3 horas e mais um busão.

A entrevista seria no dia 25, mas, o que tinha na noite anterior? Oscar, claro. Enfiei meu rabicozinho num restaurante, curiosamente, brasileiro, pois vi todo mundo olhando para uma parede. Como parede não pode ser tão legal, saquei que era uma plasma. Dito e feito, entrei, comi polenta – oba! – e tomei algumas taças de vinho. Italiano, tinto. Muito bom. Tudo isso enquanto atualizava o Judão no Oscar 2008. Descobri que meu laptop não tem uma bateria muito boa e na metade do prêmio já estava pedindo água!

Claro que, normalmente, você se prepara, faz pesquisa e organiza as idéias para falar com um top star que nem o Ford, mas, no fundo, eu me preparei para essa conversa nos últimos 20 anos da minha vida. Dá arrepio até de lembrar.

Bão, madruguei no dia seguinte para chegar a Beverly Hills no horário combinado. Metrô e busão depois, cheguei ao apê dos australianos, mas não tinha ninguém. Mas o susto durou pouco e eles só tinham ido tomar café. Carona certa, Santa Monica aqui vou eu. O caminho até lá é legal, uma baita avenidona que não termina nunca! Quer dizer, quase.

Quando eu achava que continuaria muito mais, finalmente, vi o mar da Califórnia. Pois é, praia! O hotel ficava ao lado de Venice Beach, um dos points mais badalados do lugar. Ou seja, levou quase 2 meses para eu ver o mar! Mas foi legal. Rolou uma mini emoção. HAHA.

dscf0163.JPG

O clima já começava quando um pôster de Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal (esse aí da foto) indicava o caminho para a sala de entrevistas. As meninas supersimpáticas da Paramount já me esperavam, a salinha lotada de comida também, e, claro, a vista para o mar! Encontrei com Isabela Boscov, da Veja. Fiquei muito feliz ao, finalmente, me ver num mesmo evento que ela. Depois de lutar tanto como assessor para mandá-la para alguma das minhas junkets, lá estava eu, “concorrente” dela. Mas a mulher é um doce e extremamente profissional. É ótima para conversar e entende como o mundo funciona, ao contrário de outra pessoinha ridícula e mau-caráter, que apareceu depois.

Aí veio a entrevista. A assessora de imprensa entra acompanhando um sujeito de cabelos bem grisalhos, calça jeans, mãos no bolso, e um blazer cinza. O cara vem chegando e ela pede para que cada um se apresente…. “começando pelo Fábio”. Eu simplesmente congelei! Por uma fração de segundos, claro, até que vi ele esticando a mão. “Prazer, Harrison Ford”. “Fábio Barreto, Brasil”. E seguiu cumprimentando os demais.

A entrevista começou, aos poucos, ele foi tirando o blazer, arregaçou as mangas e enfrentava a bateria de perguntas. A maioria boas, mas, claro, sempre algumas besteiras no caminho. Era engraçado notar como, conforme ele falava, dava para identificar um pouco de cada um dos maiores personagens que marcaram minha vida. Eu juro que, enquanto anotava uma resposta, eu achei que o Han Solo estava ali na sala. Bem, estava, mas vocês entenderam.

Entrevista encerrada, era a vez de conversar com Frank Marshall, o produtor. O cara era todo sorrisos, pois tinha acabado de ganhar uma penca de Oscars por Ultimato Bourne, então foi um passeio falar com ele. A melhor coisa foi descobrir que Foz do Iguaçu está no filme. Deu para ter certeza de que é impossível não gostar do próximo Indiana. Deu até arrepio ouvir ele falando dos primeiros filmes e da retomada do trabalho com o novo.

Nesse meio tempo, rolaram umas conversas e uns papos, e acabei conseguindo uma segunda entrevista com Harrison Ford. Não congelei nem nada, mas ampliei os sentidos. Precisava ser melhor que na primeira e quebrar a banca. Afinal de contas, eu estaria lá uma segunda vez.

Retornei à sala, ele retornou e cumprimentou a todos. Quando chegou a minha vez, enquanto apertava minha mão, parou.

– Ei, você voltou?
– Sim.
– Acho que preciso responder direito para você, então, hein?
– Vamos apenas fazer nosso trabalho. Estou duplamente honrado.
– Não duvido.
Sorriu e sentou-se.

Devo dizer que foi triste ouvir, duas vezes, ele dizer que Han Solo não é interessante, meio bobo e que não voltaria a interpretá-lo. “E aquelas calças, meu deus”.

Embora não tenhamos visto nenhuma prévia do filme e todo mundo tenha feito segredo além do normal sobre o roteiro, foi possível respirar o mundo de Indiana Jones, naquele delicioso hotel beira-mar, em Santa Monica. Conheci um sujeito que, mesmo não gostando, me fez querer aprender a falar inglês, fundar um fã clube e virar jornalista. Tudo para, um dia, entrevistar alguém como ele, já que, ele, parecia sonho bobo. E foi justamente ele que iniciou um novo período profissional na minha vida. Claro que não disse nada disso ao Harrison Ford e fiz apenas meu trabalho, mas, lá no fundo, meu coração batia num ritmo diferente, ritmo de quem sonhou, lutou, sofreu e conseguiu chegar além de seus maiores sonhos.

dscf0161.JPG

(Santa Mônica, sem óculos de sol e tirando foto sozinho, podia ser pior!)

A matéria sair na capa da revista Época foi a cerejinha que faltava nesse bolo mousse extra cremoso. Só tenho a agradecer a todos que participaram da minha vida, que me levou a esse momento extremamente feliz, alegre e completo. Sabe, eu nem lembrei que era fã, ou que sempre tinha sonhado com um dia ficar frente a frente com ele, mas depois, quando a matéria saiu, caiu a ficha. Eu chorei feito criança e quase levitei, pois sabia que era merecido. Independente do que qualquer pessoa diga ou ache.

Resumo da ópera, entrevistei Harrison Ford, fiz direito, como deve ser feito, me orgulho disso e sei que tem alguém, se é que existe outro plano, muito feliz por mim. Mesmo ela não estando mais entre nós, minha avó tem participação vital nessa coisa toda.

A primeira de muitas aventuras em Hollywood!

Queridos leitores, como o fechamento da próxima edição da Sci-Fi News e um pé quase quebrado tomam toda minha atenção nessa semana, vou apenas fazer uma lista de links com minhas matérias exclusivas publicadas sobre Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal. Tenho mais um texto pronto para sair, mas ele fica para o especial do Judão e, claro, com uma nova crítica de Indy 4, desta vez, sem medo de spoilers.

Bom, aí vão as matérias:

Crítica no Guia da Semana
Entrevista exclusiva com Frank Marshall, o produtor, no Guia da Semana
Artigo sem spoilers (SOS Hollywood)
Entrevista exclusiva com Harrison Ford – Época

Em tempo, vários amigos mandaram e-mails ou falaram comigo pelo MSN adorando o filme! Fiquei feliz, já que mais gente tem compartilhado a sensação que eu tive ao assistir ao novo Indy. Sai que é sua Harrison Ford!

A grande discussão da semana é quanto Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal vai faturar na abertura das bilheterias. A expectativa é de que o filme arrecade pelo menos US$150 milhões nos primeiros cinco dias de exibição, o que o colocará em rota de colisão direta com Homem-Aranha 3, que fez US$ 151,1 milhões e é, até o momento, a maior abertura de bilheteria de todos os tempos. O filme estará em cartaz em 4 mil cinemas, num total estimado de 8 mil salas de exibição, no circuito norte-americano e vários cinemas já anunciam sessões esgotadas para os dois primeiros dias. A expectativa de bons resultados também se reflete nos mercados internacionais. Parece haver pouca dúvida, pelo menos por parte do estúdio, de que o novo Indy quebrará recordes.

Será que o Teiudo resiste ao Velhote? Veremos! Tá chegando a hora!

nm_mayhew_070521_ssh.jpg

Ele é um dos atores mais feios da história, mas seu melhor papel não mostrava o rosto, então tá valendo! Hoje é aniversário de Peter Mayhew, que interpretou Chewbacca em Guerra nas Estrelas! Sujeito super simpático, atencioso e que adora falar sobre a saga, assim como qualquer outra coisa ligada a cinema. Foi uma de minhas melhores entrevistas nérdicas! 64 velinhas para o wookiee desengonçado!

GRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRAAAAAAAUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUNNNNNNNNNNNNNNNNNNNN!

indiana_getty-images.JPG

Filme entrega exatamente o que os fãs do personagem gostam: ação, perseguições e, claro, mistérios além do comum. Mas a pergunta é: quem vai falar mais alto, fãs de longa data ou a garotada que alimenta a indústria do cinema ultimamente?

A indústria do cinema é cruel. Hoje em dia, o fato de um filme ser bom não o salva do eventual fiasco e, ao contrário, sucessos incontestáveis de bilheteria não implicam que o filme seja necessariamente bom. É exatamente sobre esse aspecto que, provavelmente, a maioria das críticas de Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal vão abordar. O Festival de Cannes já sinalizou “pouco interesse” e vi um pouco disso na exibição de imprensa que acabou de acontecer em Los Angeles, dentro dos estúdios Paramount. Seja por excesso de expectativa exagerada ou por eventuais falhas de roteiro – afinal de contas, George Lucas está na parada – não houve ovação, porém, também não vi ninguém odiando o filme. De qualquer forma, digo a vocês, O FILME É INDIANA JONES PURO, DO COMEÇO AO FIM!

[Prometo que não vou contar nenhum detalhe, afinal, concordo com Spielberg quando ele aposta no segredo para manter a magia do cinema.]

O que se esperava do novo Indiana Jones? Aventura, claro. E isso, Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal tem de monte. Aliás, o ritmo é bastante puxado e poucas são as cenas sem algum elemento físico ou um pouco de ação. Boas piadas pontuam o filme. A melhor expressão para definir o que é esse longa-metragem deve ser a predileta dos atores: it’s a lot of fun! É divertido para caramba!

E, sendo assim, é um ótimo filme. Não há muito mais que se esperar de um quarto filme, sobre um mesmo personagem e suas aventuras impossíveis. Uma crítica do Washington Post diz que é vazio e sem sentido. Bom, convenhamos qual a utilidade e o sentido dos filmes anteriores? Puramente divertir e entreter. Porém, o que faz a diferença entre o tipo de diversão entregue por Indiana Jones em relação a seus “concorrentes” como A Múmia, National Treasure e similares é que nenhum deles bate Indy em carisma. E isso, inegavelmente, Harrison Ford tem de sobra. É impossível não torcer por ele a cada salto, tiro ou enigma que precisa decifrar para solucionar o dilema do cabeção de cristal.

Mutt Williams (Shia LaBeouf) foi boa aquisição ao elenco. Seu visual totalmente chupado de Marlon Brando em The Wild One define todo seu estado de espírito sem dizer muito, mas ele é um dos que mais muda ao longo da trama. Já Marion Ravenwood (Karen Allen, quando a idade chega, a idade chega…) retorna, mas não convence muito e, a exemplo de Susan Sarandon em Speed Racer, vê sua personagem ser mera coadjuvante estética na maior parte da história. De qualquer forma, não é para ver os dois que o público vai pagar o ingresso, mas sim para acompanhar o retorno de Harrison Ford ao papel de Indiana Jones.

Ele faz o que tem de melhor: corre, pula, tira sarro da cara dos bandidos e, claro, tem seus momentos mais exagerados do que gostaríamos de ver, mas, tratando-se de Indiana Jones, vale tudo! O bom trabalho de câmera e efeitos não deixa o espectador pensar no fato de que ali está um homem de 65 anos. A idade do personagem, aliás, acaba servindo com motivo de boas cenas cômicas.

Esse filme não é e nem vai ser uma unanimidade. Quem quiser achar defeitos vai ter um banquete à disposição, assim como quem resolver defender ou enaltecer as cenas bacanas. Talvez por isso muitos críticos tenham resolvido queimar o filme logo de cara, assim não ficam com remorso caso a opinião pública o condene. De qualquer forma, cada um faz seu juízo. Gostei, vi muita coisa boa, ri bastante ao longo de todo filme e a não gostei de algumas decisões tomadas pela equipe no desfecho, mas aí é coisa bem pessoal. No geral, é como se tivesse voltado no tempo e entrado num cinema cerca de dois anos depois da estréia de A Última Cruzada.

Porém, pode estar aí o calcanhar de Aquiles do filme. Todo mundo tem insistido que foi feito para os fãs, entretanto, Spielberg pode ter pensado tanto nos fãs que não se deu conta de que essas pessoas cresceram e amadureceram. Quem pedia por um novo filme empolgado com A Última Cruzada não tem mais aquela mentalidade. Indiana Jones tem. Embora o tempo possa ter passado e ele, a partir de certo ponto, se torne um sujeito “sério e responsável”, o espírito da “trilogia” original foi mantido. Seus conceitos, seus ideais, sua identidade visual. É como se tudo tivesse parado no tempo. Um tempo bom, diga-se de passagem. Mas a dúvida é: o público de hoje está preparado para essa viagem no tempo? Faz sentido para eles – jovens ou não – falar em russos, caça às bruxas, comunismo? Saberemos em breve. Faltam apenas 4 dias para a estréia.

Os veteranos tem em Ford a certeza de que o personagem continua imbatível e exatamente como nos lembramos. E como estandarte da nova geração surge Shia LaBeouf, que já arregimentou a garotada em Transformers e surge como novo elemento constante em eventuais filmes do personagem. Ele acaba sendo o catalisador dramático e cômico do filme todo, e faz o trabalho direito. Especialmente na parte cômica. Não há como deixar de lado a idéia de que Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal é um filme engraçado, com objetivo de divertir e tentar fazer isso da melhor maneira que o trio de ferro permite. A cena de abertura, aliás, dá o tom para todo o resto do rolo.

Não há nenhum objetivo político – os russos já perderam e a Guerra Fria acabou –, as tribos do Peru não devem dar muita bola para a existência, ou não, de um crânio de cristal cheio de superpoderes e o personagem nunca foi de passar por aventuras verídicas ou cotidianas. Tudo ali é faz de conta, com muita qualidade diga-se de passagem, mas, ainda assim, uma história cuja função é servir de palco para que Indy faça seu show, Harrison Ford retorne ao topo e, quem sabe, Shia LeBouf se transforme no porta-voz do bom cinema para essa nova geração em cujas mãos está o destino ($$) e o julgamento da validade, ou não, de Indiana Jones para o novo século. Será um arqueólogo e professor meio período capaz de competir com os cenários supercomputadorizados dos Wachowski ou a tecnologia dos filmes de superheróis?

A única certeza que tiro disso tudo é que realizei mais um sonho, vi Indiana Jones no cinema. E uma conclusão: George Lucas tem que ser proibido de escrever roteiros pelos próximos 10 anos, ainda de castigo por Episódio I e por algumas escorregadas com o Indy! E viva as marmotas!